quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Estar ao teu Lado


Quem me dera estar ao teu lado,
Sentir o teu calor,
Afagar os teus cabelos,
Beber de teu sabor,
Quem me dera viver esta chama
E nos lençois de nossa cama
Trocarmos frases de amor.

Quem me dera estar ao teu lado,
Apertar a tua mão,
Desfrutar de teu sorriso,
Esquecer da solidão,
Quem me dera contigo viver
E sorrindo te dizer
Que tu és minha paixão.

Quem me dera estar ao teu lado,
Ser poster na tua mente,
Sentir tua pele macia,
Te amar profundamente,
Por minhas mãos em tua cintura
E no escuro da Prefeitura
Te beijar intensamente.

Quem me dera estar ao teu lado,
Quem me dera estar contigo,
Ter tua presença,
Esquecer qualquer perigo,
Sentir teu toque feminino,
Que por ironia do destino
Você insiste em me chamar de AMIGO.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2007

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Contigo Vivi


Já vivi grandes amores,
Viagens emocionantes,
Festas inesqueciveis,
Encontros alucinantes,
Já compus vários poemas,
Porém, só os nossos "esquemas"
É que se tornaram marcantes.

Contigo vivi prazeres
Que me levaram além,
Emoções que ainda espero,
Mas percebo que não vem,
Contigo vivi loucuras,
Inesqueciveis aventuras
Que jamais comentei com alguém...

Contigo vivi desejos
De minhas mãos tão atrevidas,
Detalhes de tuas roupas
Por mim jamais esquecidas,
Contigo vivi risadas,
Em horas inesperadas,
Nos encontros das nossas vidas.

Contigo vivi surpresas
Além do que sonhei,
Momentos preciosos,
Idas que não voltei,
Ligações demoradas,
Loucuras jamais reveladas,
Alguém que tanto amei.


Antonio Romário de Sousa Braga
Pentecoste/CE - 2007


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Sozinho em Casa


Estou sozinho em casa
E o telefone começa a tocar,
É ela quem me liga
Anunciando que vai chegar,
Atendo o telefone sorrindo
E ela diz: Oi meu lindo!
Hoje vou te visitar.

Ouço o barulho de uma moto
Quando chega a noite singela,
Alguém toca a campainha
E vejo que é ela,
Sinto um perfume cheiroso,
Recebo um abraço amoroso
e entrego-me aos beijos dela.

Ela declama ao meu ouvido
Uma bela poesia,
A levo para o quarto,
E brindamos com alegria,
Sorrindo diz que me ama
E ficamos na cama
Até o fim do outro dia.

Entre taças de bebidas,
Suspiros de paixão,
A cama bagunçada,
Roupas pelo chão,
No prazer desse momento,
Dá vontade de parar o tempo
E viver pra sempre essa ilusão.

Antonio Romário de Sousa Braga
Fortaleza - CE 2007.

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Paixão Inesquecivel


Tanto tempo terminamos,
Talvez o encanto acabou,
Sinto falta da paixão
Que foi, porém ficou,
Mesmo passado alguns meses,
Pra mim o tempo parou.

O amargo da tristeza
Traz-me infelicidade,
Queria ter pelo menos
A tua sincera amizade,
Mesmo te vendo no colégio,
Sinto enorme saudade.

Caminho pela praça
Na dor da solidão,
Tudo parece mudado,
Só penso na tua paixão,
Mas sei que estamos juntos
No jardim da ilusão.

Apaixonar-se para mim
Era um ato tão impossivel,
Mas você com seu jeitinho
E um encanto incrivel,
Lapidaram no meu coração
Uma paixão inesquecivel.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste - CE

(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O Amor que eu Perdi




O amor que eu perdi (De Romário Braga)

Com tristezas recordo
Aquela tarde fria,
Ela olhava-me nos olhos
Jurando que voltaria.

Eram abraços partidos
Por uma longa distância,
Ela marcou minha adolescência
E por que não a minha infância?

O aeroporto lotado,
Tentei segurar a dor
E na fila de embarque
Eu perdia meu grande amor.

Seus olhinhos brilhando,
com um beijo me despedi,
Desci a escada rolante,
Foi a última vez que eu a vi.

Romário Braga.

(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Liberte-me



Liberte-me

Liberte-me desse amor,
Estou sofrendo demais,
Brigamos a toda hora,
É triste, não dá mais.

Onde está aquela menina
Que me apaixonei um dia?
Em lágrimas hoje peço
Minha carta de "alforria".

Liberte minhas algemas!
Continuarmos é um pecado.
Não sou mais que um passarinho
Por você aprisionado.

Já perdi minhas esperanças
De entre nós tudo mudar,
Abra minha gaiola,
Vou pra bem longe voar.

Seu ciúme doentio
Comigo sempre foi cretino,
Não vamos culpar ninguém,
A não ser o destino.


Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil - 2010

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Olhando o Céu



Olhando o céu

Era uma noite linda,
Eu estava viajando,
Sentei-me na varanda
E para o céu fiquei olhando.

Guardo minha caneta,
Logo rasgo o papel
E com um grande fascínio
Continuo olhando o céu.

Desligo o telefone

Para não me incomodar,
Esqueço tudo ao meu lado
E para o céu fiquei a olhar.

Então, veio a madrugada,

Dormi ao relento,
O céu me fez pensar
Em você... a todo momento.

Romário Braga.
Lagoinha - Ceará - Brasil, 2010

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Hoje te vi Passando!



Hoje te vi passando

Hoje te vi passando
Ao meu lado, sorridente,

Vinhas com tua amiga,

Iluminando minha mente,

Logo fiquei triste

Ao te ver rapidamente.
Hábito este, eu tenho,
A te olhar com admiração,

Viver pensando em você.

Impedindo outra paixão,

Louco sou, pois nunca

Apertei nem a tua mão.


Hoje, te vi passando,

Ao menos fiquei a olhar,

Vê-la é uma alegria,

Ilusão a me assombrar.

Lamento sermos distantes!

Algum dia, vais me notar.


Romário Braga.

Pentecoste - Ceará - Brasil, 2010


(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Livre para Voar



Livre para voar

O destino de minha vida

Somente a mim interessa,

Quero voar feito um pássaro

Sem que algo me impeça.
Jamais quero raízes,
Isso é minha decisão,

Tenho medo do que possa

Acorrentar-me no chão.


Voar igual uma águia,

Ser rude, porém sereno,

Mas as águias voam alto

E eu ainda voo pequeno.


Sou livre para voar!

Não importa a situação.

Quero voar a vida inteira

Bem longe de uma prisão.



Romário Braga.

Pentecoste - Ceará - Brasil, 2010

(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

domingo, 8 de agosto de 2010

Passo Horas



Passo horas

Passo horas esperando
Só pra ver ela passar
Sempre linda, com sua elegância,
Outra vez a me esnobar.
Devo ser uma pessoa pequena
Diante de seu olhar.
"Alguém nada importante",
Talvez ela pense assim!
O problema é que estou
Ficando dela a fim.
Passo horas esperando
E nem se quer olha pra mim.
Nas festas de meus amigos,
Ela sempre se apresenta.
Nunca estar sorrindo
E o seu estilo me apimenta,
Dou boa noite a todos
E ela não me cumprimenta.
Não sei se é o seu jeito
Ou se quer ser a tal,
Vou torcer para que um dia
Ela me veja, afinal,
Não como uma pessoa "grande",
Mas como alguém especial.
Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil, 2010.


(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Me Leva




Me leva

Me leva pra junto de ti,
Quero nas nuvens correr,

Acordar com teus afagos,

No paraíso viver.


Voar até as montanhas,
Mergulhar nas águas calmas,
Declamar minhas poesias
Sem preocupar-me com as palmas.

Nas fontes de um jardim
Fazer minha oração,
Ir até o infinito
Segurando a tua mão.

Venha, Virgem Maria,
Me leva pra junto de ti,
Pois faz tempo que não tenho
Nada pra fazer aqui.


Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil, 2010

(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Te Odeio



Te odeio

Te odeio profundamente
E sabes bem o porquê!
Prefiro pular de um avião
Do que falar com você.

Ao invés de apertar tua mão,
Prefiro apertar um espinho,
Se um dia me ver na rua,
Por favor, mude o caminho.

Só em ouvir tua voz,
Faz ferver meu coração.
Você não merece nem
Um pouco de minha atenção.

Se te vejo de longe,
De raiva a alma transpira!
Não quero nem respirar
O mesmo ar que respira.

Te odeio intensamente
E muito mais te maldigo,
Prefiro ir à sepultura,
Do que falar um dia contigo.


Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil, 2010
(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

terça-feira, 25 de maio de 2010

Vou te Esquecer



Vou te Esquecer

Minha alma em sangue chora
Pela dor de tua ausência,
Dos meus pobres poemas
Você foi a essência,
Mas hoje, minha amada,
Tu és página virada
Do diário de minha adolescência.

Estou aqui relembrando triste
Aquela noite inesperada
Em que você terminou tudo,
Embora dizendo ser apaixonada,
Os meus poemas jamais ouvirá
E o telefone não mais tocará
Anunciando minha chegada.

Te deletei do meu MSN
Para não mais te lembrar
E os e-mails que me escreveu,
Não quis nem ao menos olhar.
No meu orkut, você sorria
Naquela fotografia
Que fiz questão de apagar.

Sempre vejo a tua imagem
Através dos cristais,
Sinto-me um marinheiro
Que dá adeus ao cais,
Já te risquei da minha vida
E com o lenço branco da partida
Eu te falo: Até nunca mais...

Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil

(Poesia Protegida pela Lei de Direitos Autorais)

segunda-feira, 17 de maio de 2010

No meu Quarto



No meu quarto

Ao entrar ao meu quarto
Sinto a presença da solidão,
Vejo a cama bem arrumada,
Nada de roupas pelo chão,
Tudo frio e silencioso,
No meu caderno um poema saudoso
Clama o regresso da nossa paixão.

Fico tão triste que
Nem ao menos consigo sorrir,
Para te esquecer um pouco
Ligo o som pra mim distrair,
Embora sem perceber,
Pois ponho o CD
Que costumávamos ouvir.

Deito-me na cama,
Começo a escrever,
Na gaveta as nossas fotos
Insisto em rever.
No meu quarto a lembrança morta
E o vento ao soprar a porta
Penso que vou te ver.

Fecho a janela por conta do frio,
Desligo a televisão,
De repente, te vejo ao meu lado
Estendendo-me tua mão,
Sorrindo diz que me ama
E ao te levar pra cama
Percebo que é uma ilusão.


Romário Braga.
Pentecoste - Ceará Brasil


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Minha Paixão



Minha paixão

Entro à tua sala,
Rindo sempre te vejo,
Iluminado pelo teu sorriso,
Lira do meu desejo,
Estou mergulhado nesta paixão,
No simples aperto de mão
E no calor do teu beijo.
Estando sozinho em casa,
Recorro-me à poesia,
Inspirado na tua imagem,
Livro-me da melancolia
E guardo com tanto fervor,
No Frigobar, a champanhe do amor
Esperando apenas o dia.
Estar ao teu lado fico
rindo facilmente,
Imortal nos meus pensamentos,
Lembrança de minha mente,
Embora ao te rever
Não consigo nem dizer:
EU TE AMO INTENSAMENTE...
Escondo a verdade,
Recorro pra não dizer,
Ilusões de estar contigo,
Lábios do prazer,
Encanto que me beija,
No infinito, além, ou seja,
Eu te amo sem querer.


Romário Braga.
Pentecoste  - Ceará - Brasil

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

quinta-feira, 13 de maio de 2010

O Adeus do Nunca Mais



O Adeus do Nunca Mais

Tudo faz lembrar-me que terminamos,
Tudo em minha volta de te fala
E as cartas de amor que me escreveu
O teu perfume predileto exala.

Na mesa saudosa, à tua espera,
Dormem em sono de morte minhas poesias
E a canção triste me lembra a frase,
A doce frase que tanto lias.

Sei que sinto sua falta,
Minha alma vive inquieta,
Tua imagem tanto rodeia
A triste vida do poeta.

Saio sem hora para voltar,
Nas sombras dos vendavais.
E insiste em me assolar
O ADEUS DO NUNCA MAIS.


Romário Braga.Pentecoste - Ceará - Brasil

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Penso em Ti



Penso em ti

Penso em ti em horas de tristeza,
Penso em ti durante o dia,
Sinto tua presença
Ao escrever uma poesia.

Penso em ti na hora da aula,
Penso em ti quando vou escrever
E quando estou com meus amigos
O meu pensamento está em ti ter.

Penso nos teus abraços,
Penso no teu carinho,
Vejo a tua imagem
Quando estou tão sozinho

Penso nos teus beijos,
Penso na tua paixão,
Mas penso em ti principalmente
Nas horas da solidão.


Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Mulher Pública




Mulher Pública
Quando estamos juntos

Não consigo relaxar,
Pois sempre nos nossos encontros
Alguém vem lhe cumprimentar,
Penso constantemente:
Ela é amiga de muita gente,
então devo me acostumar.
Se formos a algum lugar
Todos ficam acenando,
Se saímos no seu carro,
Quando a gente vai se beijando,
É grande o meu sofrimento,
Pois até nesse momento
O telefone fica tocando.
Vou até sua casa,
Já que ela estar sozinha,
A levo para a cama,
Finalmente ela é só minha!
Sorrindo vem me abraçando
E quando a roupa vou tirando,
Alguém aperta a campainha.
É triste amar uma mulher
Que vive sempre ocupada
Com tarefas de seu trabalho,
Sem tempo pra ser amada,
São coisas do coração,
Por ela tenho paixão,
Por isso, não falo nada.

Romário Braga.

Pentecoste - Ceará - Brasil

(Poesia protegida pela Lei de Direitos)

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Tento!



Tento

Tento te falar da minha paixão,
Infelizmente não consigo,
Pois quando estou ao teu lado
Palavras de amor não digo,
Vendo o teu olhar de mulher
Sei que você me quer
Apenas como um amigo.

Tentei de todo jeito,
Mas não deu pra te falar
Que quando estou ao teu lado
Tenho vontade de te beijar,
Porém me lembro que outrora
Você me "deu um fora"
Sem nem "junto eu chegar".

Entro no teu Orkut,
Releio os recados que te enviei,
Palavras apaixonadas
Que você só dizia "gostei!",
Sinto-me desiludido
Por simplesmente ter perdido
O amor que nem ganhei.

Trago esta paixão em mim
E já não posso controlar,
Tento te dizer tudo,
Embora sem nada falar,
Acho que vou sofrer,
Pois de que adianta te dizer?
Se você não vai me amar!

Romário Braga.
Pentecoste - Ceará - Brasil




(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Amor ou Paixão?





O olhar que me fitou,
Muito me enlouqueceu,
Suas mãos em minha cintura,
Deslizes que cometeu,
Veja só que coisa boa
"Fiquei" com uma pessoa
Que é bem mais velha do que eu.

Mas não foi por sua fama
Ou algo material,
Simplesmente sua presença
Levanta o meu astral,
Encantei-me pela formosura,
Sua beleza e postura
De mulher tão sensual.

Este segredo só nosso,
Prometemos não revelar,
Por conta de comentários
Que tanto iria gerar,
Para o amor não tem idade,
Porém, a sociedade
Não saberia interpretar.

Sua sábia experiência,
Faz de mim um aventureiro,
Quando estou com ela
O tempo passa ligeiro,
Acaricio sua mão,
Não sei se é amor ou paixão
Ou um caso passageiro!

Romário Braga
Pentecoste - Ce - Brasil, 2006.


(Poesia protegida pela Lei de direitos autorais)