domingo, 20 de março de 2011

Encontro ardente


Esperei tua chegada
Com ânsia e desejo
Pra te dar um longo beijo
E dizer que és minha amada,
Você entrou perfumada
Linda como pensei,
Entre beijos te dominei
E minha blusa foi tirando,
Um desejo foi pintando
E para a cama te levei.

O quarto pouco iluminado
E a cama bagunçada,
No chão, a roupa jogada
E eu contigo abraçado.
Teus gemidos de agrado
Me fizeram enlouquecer
E me entreguei ao prazer
De teu corpo delirante,
Foi um momento marcante
Que nunca vou me esquecer.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE 2011

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Dor da ausência


Como doi a ausência,
A saudade de uma paixão,
De alguém que foi embora
Deixando-me na solidão,
Sei que de te preciso
E ainda guardo o teu sorriso
No museu do meu coração.

O teu nome em letras de ouro
Em minha memória vou lapidar,
Relembro o banco da pracinha
No qual íamos namorar,
Onde outrora alegria,
Hoje a nostalgia
Vive a me perturbar.

Tudo me faz te lembrar,
Tudo em te fala,
São nas horas de tristeza
Que o meu coração cala,
Sei que não me esqueceu
E as cartas que me escreveu
O teu perfume ainda exala.

Quando vejo tua foto
Sinto a presença da saudade,
Quero contigo ficar
nas trilhas da novidade,
Mas tenho certeza
Que o teu orgulho e minha tristeza
Faz que se torne irrealidade.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2007

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Uma lágrima




Tentei manter o sorriso
E um imprevisto aconteceu,
A emoção foi tão forte
Que uma lágrima escorreu.

Seu olhar entristecido
Diante da timidez
E naquele beijo picante
Notei ser a última vez.

De nossos grandes encontros
Não me esquecerei jamais!
Dei tchau e ao virar as costas
Ainda olhei para trás.

Deixou-me muito de sí
E de mim pouco levou,
De lembranças, restou-me um lenço
Que suas lágrimas enxugou.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009.

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

À você que me esqueceu


É dificil acreditar
Que você me esqueceu,
Já que tantas "aventuras"
Comigo, afinal, viveu.

Olhando a tua foto,
A ausência domina o peito,
Que triste ver acabado
O que nem começou direito.

Talvez, para você
Eu devo ter morrido,
Se te cumprimento na rua
Me sinto um desconhecido.

Quem sabe algum dia
Eu possa te entender
E à você que me esqueceu,
Estou tentando te esquecer

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Pensando nela



Durmo pensando nela,
Nela acordo pensando,
O que está fazendo agora
Fico aqui imaginando.

Talvez seu sentimento
Já estar chegando ao fim,
Sou tão louco por ela,
Mas será que ela é por mim?

Tenho medo que esse amor
Aos poucos vá se apagando,
Com ela sou feliz,
Por isso, estou lhe esperando.

Depois que ela partiu
Vivo muito angustiado,
Volte meu amor
Pra ser feliz ao meu lado.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sexta-feira, 18 de março de 2011

À você, esta Flor


Eu trago esta flor
Somente pra oferecer
Com carinho e prazer
À você meu amor,
Que tanto trouxe cor
Ao meu pobre coração,
Enchendo-me de paixão,
Alegrando minha vida
E para você querida
Eis aqui minha gratidão.

Desde que te conheci,
Meu mundo mudou tanto,
Na alma enchuguei o pranto
No primeiro dia que a vi,
Foi ali que eu renasci
Com o teu jeito de ser,
Preencheste meu viver
Com este lindo amor
E hoje trago esta flor
Só para te oferecer.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - Março de 2011.

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)