terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Minha despedida de 2011!


Olá! É uma honra ter sua visita cativante e poder compartilhar com você minhas sublimes poesias. Quero agradecer-lhe, do fundo do meu coração, pelo sucesso que meu blog vem tendo no decorrer dos últimos meses, inclusive recebendo visitas constantes de inúmeros países. Aproveitando esse ritmo de festa que o momento me propicía, desejo que o nosso Senhor Jesus Cristo juntamente com papai Noel possam entrar em sua residência e colocarem em cada sapatinho, em cada presentinho da árvore de Natal muita saúde, muitas felicidades e dinheiro também, que é bom, mas não tão importante quanto a saúde e felicidade. Que esta amizade que você tem comigo continue sendo a mesma e que esta amizade que eu tenho com você também continue sendo a mesma. Feliz Natal e bom 2012.
São os meus sinceros votos,

Antonio Romário de Sousa Braga.
Fortaleza - CE, dezembro de 2011.

(Poesia proegida pela Lei de Direitos Autorais)

Natal triste


Sozinho te espero,
Vejo a hora passar,
Já são meia noite
E você sem chegar.

A sua presença
Você confirmou
E com esse atraso,
Nem me avisou.

É o jeito eu cear
Essa comida já fria
Sem essa mulher
Que garantiu companhia.

Até o papai Noel
Se perdeu no caminho.
Eu com tantos amigos,
Passo o Natal sozinho.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Fortaleza - CE, dezembro de 2011.

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

domingo, 27 de novembro de 2011

Frente a Frente


Não escondi o nervosismo
Ao vê-la em minha frente,
Na hora faltou palavras,
Gelei completamente,
A menina que eu gostava
Me olhava fixamente.

Esse encontro casual
Nunca na vida esperava,
Já que essa pessoa
Nem comigo falava
E agora frente a frente
O destino nos colocava.

Minha tola timidez
Ela pôde notar,
Levemente tocou meu rosto,
Logo pôs-se a me abraçar,
E me deu aquele beijo
Que nela eu quis sempre dar.

Fiquei muito surpreso,
Veio ela perceber,
Então me disse um segredo
Que assim pude entender,
Ela sempre gostou de mim,
Mas que nunca quis dizer.


Antonio Romário de Sousa Braga.
2011, Fortaleza - Ceará.


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Amando em Silêncio


Disseram que entre dois
Há uma paixão tão linda,
Eu sei que você me ama
E eu te amo mais ainda.

Mas por que não declarar
Essa paixão que nos faz bem?
Eu não possuo essa audácia
E você não possui também!

Eu fico refletindo,
Esse amor não é carnal,
Se nós dois nos amamos
Devemos se entregar, afinal!

Existe alguma barreira
Que tanto nos maltrata,
Que separa um do outro,
Mas não sei de que se trata.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste - CE


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Petulância sua!




É muita petulância
Apontar-me esse dedo,
Querendo me pôr medo
Com essa sua arrogância!
Pra você não tenho importância,
Sou um desvalorizado.
No entanto, no passado
Era carinho e só amores!
Meu íntimo está em dores
Por você esfaqueado.

Vive ouvindo, enfim,
Pessoas desagradáveis
Com mentiras insuportáveis
Que tanto dizem de mim.
Vou colocar nisso um fim!
Não dar pra suportar,
Você nunca vai mudar.
Odeio chateação!
Espero que a educação
Possa um dia lhe encontrar.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste - CE Setembro de 2011

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sábado, 17 de setembro de 2011

Quisera-me




Quisera-me um dia poder
Me envolver nos teus abraços
E entre beijos e amassos
Enlouquecer de prazer,
Quisera-me isso ter,
Mas é mera ilusão!
Por mim não tens atração,
Isso é o que imagino.
Na sua frente sou um menino
Condenado à solidão.

Quisera-me tão somente
Tocar teu rosto macio,
Preencher este vazio
Que me mata lentamente,
Sofro completamente
Vendo você distante,
Essa paixão sufocante
Já não consigo conter,
Quisera-me um dia te ter
Nem que fosse por um instante.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Setembro de 2011 Pentecoste - CE


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Tu eras!




Tu eras chuva agradável
Quando em meu peito caiu,
Tornou-se uma tempestade
Que minha vida destruiu.

Tu eras brisa suave
Afagando meu coração
E revirou meus sentimentos
Com força de furacão.

Tu eras uma bela rosa
Que veio a me conquistar,
Mas furou-me com um espinho
Que nunca consigo tirar.

Tu eras pra mim um rio
Que minha imagem refletia,
Mas que veio como enchente
Afogando minha alegria...


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste - CE Setembro de 2011.


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)



quarta-feira, 17 de agosto de 2011

O Piano






Sozinho na sala,
Um drink vou beber,
Na ânsia de pelo menos
Por um minuto te esquecer.

Dedilho o piano
E toco uma canção,
Só que era a música
Tema de nossa paixão.

Sinto saudades,
Mas fazer o quê?
Se aquele piano
Me lembra você!

As lembranças fazem
Uma lágrima rolar,
Pois naquele piano
Tu amavas tocar.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste - Ceará

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

terça-feira, 7 de junho de 2011

Distante de Você


Distante assim
Vou enlouquecer,

Não sei o que fazer

Sem te ter junto à mim,
Não vejo ter fim
Essa paixão ardente,
Teu jeito envolvente
Já me dominou,
Quando longe estou
Morro lentamente.

Só me resta na vida

Te telefonar,

pego o celular

E me lembro em seguida

"Tu és proibida",
É o jeito esperar
Você me ligar
E reservar um tempinho,
Pois sem teu beijinho
É triste ficar.

Antonio Romário de sousa Braga.

Junho de 2011 - Pentecoste/CE


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Voe Passarinho


Voe passarinho
Bem longe dessa gaiola,
A liberdade é a escola
E a sabedoria o ninho,
Nunca voe baixinho!
Sem vá a longa altura.

Quem certos voos procura,
Chegará a um bom lugar,

No entanto, saiba voar

Com extrema desenvoltura.

A gaiola está aberta,
Quando você for voar
Saiba bem calcular

Se realmente é a hora certa,
Sei que o medo muito aperta,

Mas terás que resolver,

Não poderás sempre viver
Preso a este ninho,
Então, voe passarinho

O mundo quer te conhecer.



Antonio Romário de Sousa Braga
2011 - Pentecoste/CE



(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Meu grande amigo


Me apego contigo
O dia inteiro,
Meu amor verdadeiro,
Meu grande amigo,
Não corro perigo
Se estou ao teu lado.
Longe do que é errado,
Eu seguro a tua mão,
Sinto a proteção
De Jesus, abençoado.

Sempre percorri
Por onde é certo,
Com o peito aberto,
Nada eu temi,
Pois muito pedi
Que seja meu guia,
Não importa o dia,
Você me conduz,
Obrigado Jesus,
Por sua companhia.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Abril de 2011 - Pentecoste/CE


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

terça-feira, 19 de abril de 2011

Chuva Fininha


Cai a chuva fininha
Nessa janela molhando

E eu cá dentro pensando
Na garota que já foi minha.
A cama, bem arrumadinha,
Não é mais como antes,

Sem teus beijos picantes,

A tristeza me domina,

Sinto sua falta, menina,
E dos momentos marcantes.

Pra janela fico olhando
Esperando o tempo passar,

Na esperança de te reencontrar
Eu vivo imaginando,

Quando ouço alguém chamando,

Corro para o portão,

É apenas minha impressão,
É uma brisa lá batendo.

A chuva fina escorrendo,

São lágrimas do meu coração.


Antonio Romário de sousa Braga.

Abril de 2011 - Pentecoste/CE



(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Venha


Venha pra perto de mim,
Basta dar dois passos,

Vou te encher de beijos,

Te esquentar nos meus abraços.


Venha, siga em frente,

Estou perto querida,
Vivendo à tua espera,

Estou com a mão estendida.

Confie, não tenha medo,

Tenho planos contigo.

Quero te beijar na chuva,

Enfrentar qualquer perigo.


Venha pra perto de mim,

Sabes onde me encontrar.

Venha, me der a mão,
Quero muito te amar.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009



(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Amantes


Existe entre nós dois
Uma ponte a nos separar,
Quero me jogar aos teus braços
E sorrindo te beijar.

Quando aperto tua mão,
Que felicidade sinto,
Se eu disser que não te quero,
Tenha certeza que minto.

Olho para o telefone,
Meu desejo é te ligar,
Ouvir tua voz tão linda
E tua pele acariciar.

Ao lembrar tua imagem,
Fico horas calado,
Quero te ver, mas não posso
Passar nem ao teu lado.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2008


(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

domingo, 20 de março de 2011

Encontro ardente


Esperei tua chegada
Com ânsia e desejo
Pra te dar um longo beijo
E dizer que és minha amada,
Você entrou perfumada
Linda como pensei,
Entre beijos te dominei
E minha blusa foi tirando,
Um desejo foi pintando
E para a cama te levei.

O quarto pouco iluminado
E a cama bagunçada,
No chão, a roupa jogada
E eu contigo abraçado.
Teus gemidos de agrado
Me fizeram enlouquecer
E me entreguei ao prazer
De teu corpo delirante,
Foi um momento marcante
Que nunca vou me esquecer.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE 2011

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Dor da ausência


Como doi a ausência,
A saudade de uma paixão,
De alguém que foi embora
Deixando-me na solidão,
Sei que de te preciso
E ainda guardo o teu sorriso
No museu do meu coração.

O teu nome em letras de ouro
Em minha memória vou lapidar,
Relembro o banco da pracinha
No qual íamos namorar,
Onde outrora alegria,
Hoje a nostalgia
Vive a me perturbar.

Tudo me faz te lembrar,
Tudo em te fala,
São nas horas de tristeza
Que o meu coração cala,
Sei que não me esqueceu
E as cartas que me escreveu
O teu perfume ainda exala.

Quando vejo tua foto
Sinto a presença da saudade,
Quero contigo ficar
nas trilhas da novidade,
Mas tenho certeza
Que o teu orgulho e minha tristeza
Faz que se torne irrealidade.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2007

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Uma lágrima




Tentei manter o sorriso
E um imprevisto aconteceu,
A emoção foi tão forte
Que uma lágrima escorreu.

Seu olhar entristecido
Diante da timidez
E naquele beijo picante
Notei ser a última vez.

De nossos grandes encontros
Não me esquecerei jamais!
Dei tchau e ao virar as costas
Ainda olhei para trás.

Deixou-me muito de sí
E de mim pouco levou,
De lembranças, restou-me um lenço
Que suas lágrimas enxugou.

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009.

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

À você que me esqueceu


É dificil acreditar
Que você me esqueceu,
Já que tantas "aventuras"
Comigo, afinal, viveu.

Olhando a tua foto,
A ausência domina o peito,
Que triste ver acabado
O que nem começou direito.

Talvez, para você
Eu devo ter morrido,
Se te cumprimento na rua
Me sinto um desconhecido.

Quem sabe algum dia
Eu possa te entender
E à você que me esqueceu,
Estou tentando te esquecer

Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

Pensando nela



Durmo pensando nela,
Nela acordo pensando,
O que está fazendo agora
Fico aqui imaginando.

Talvez seu sentimento
Já estar chegando ao fim,
Sou tão louco por ela,
Mas será que ela é por mim?

Tenho medo que esse amor
Aos poucos vá se apagando,
Com ela sou feliz,
Por isso, estou lhe esperando.

Depois que ela partiu
Vivo muito angustiado,
Volte meu amor
Pra ser feliz ao meu lado.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - 2009

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)

sexta-feira, 18 de março de 2011

À você, esta Flor


Eu trago esta flor
Somente pra oferecer
Com carinho e prazer
À você meu amor,
Que tanto trouxe cor
Ao meu pobre coração,
Enchendo-me de paixão,
Alegrando minha vida
E para você querida
Eis aqui minha gratidão.

Desde que te conheci,
Meu mundo mudou tanto,
Na alma enchuguei o pranto
No primeiro dia que a vi,
Foi ali que eu renasci
Com o teu jeito de ser,
Preencheste meu viver
Com este lindo amor
E hoje trago esta flor
Só para te oferecer.


Antonio Romário de Sousa Braga.
Pentecoste/CE - Março de 2011.

(Poesia protegida pela Lei de Direitos Autorais)